Saúde e bem estar

A sua vida, mais saudável.

Coronavírus, gripe ou resfriado?

Postado em 27 de março de 2020


Apesar de terem sintomas similares e se tratarem de doenças respiratórias, precisamos ficar atentos e, especialmente, fazer uma análise: se a pessoa que está com sintomas veio de algum local onde tenha doença ou se manteve contato com alguém com o diagnóstico positivo.

É importante saber também que a gripe é provocada pelo vírus influenza e é uma infecção respiratória aguda, causada pelos tipos A e B. Já a Covid-19 faz parte da família dos coronavírus. Logo, a vacina contra a gripe não protege contra a Covid-19, mas é uma forma de proteção daqueles que são mais vulneráveis às doenças respiratórias.

A Covid-19 começa com sintomas suaves semelhantes a um resfriado e pode também causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias. Os principais sintomas conhecidos até o momento são a febre, a tosse e a dificuldade para respirar, ou seja, uma mistura dos sintomas de resfriado com os da gripe.

A gripe geralmente tem duração entre um a quatro dias, já começa muito intensa e pode ter sintomas abruptos como febre alta, mal-estar generalizado e pode ainda levar a uma sinusite e até a uma pneumonia.

O resfriado tem um início gradual, dura de 3 a 5 dias e não costuma ter complicações graves.

Ficar atento às formas de transmissão pode ser importante na prevenção, pois estes vírus se espalham por gotículas de saliva, tosse e espirros, especialmente se a pessoa passar a mão contaminada nos olhos, nariz e boca.

Para saber mesmo se você está com o coronavírus, é necessário fazer testes que detectam o agente infeccioso pela sua carga genética, a partir de amostras das vias aéreas ou de catarro, quando se descarta a gripe e outras enfermidades; e também de um exame específico para o Sars-Cov-2, disponível nas redes pública e privada.

Tanto na gripe quanto no coronavírus podem haver pacientes assintomáticos, que são capazes de disseminar a enfermidade, colocando em risco os grupos mais vulneráveis: idosos, portadores de doenças crônicas e imunossuprimidos.

Caso você tenha viajado para locais onde há registro da pandemia ou teve contato com pessoas com confirmação do coronavírus, é importante avisar imediatamente os profissionais de saúde e evitar o contato com outras pessoas, para impedir a transmissão.


  • Categoria: Sua saúde
  • Tags:

Mitos e Verdades sobre o Câncer Colorretal

Postado em 24 de março de 2020


Um dos maiores obstáculos na prevenção e combate ao câncer colorretal é superar a falta de informação e o preconceito que impedem as pessoas de irem ao médico e realizarem exames de detecção precoce.

Por isso, no blog de hoje, vamos esclarecer algumas dúvidas.

O câncer colorretal é mais frequente em homens:
Mito. O câncer colorretal é uma doença que pode atingir tanto mulheres quanto homens. Esse já é o segundo tipo de câncer mais frequente nas mulheres.

O câncer colorretal não pode ser prevenido:
Mito. O câncer colorretal quase sempre se origina a partir de pólipos, que podem crescer na parede interna do intestino grosso. Por isso é importante detectar precocemente essas lesões benignas, através dos exames de rastreamento, e retirá-las antes de se tornarem malignas.

A idade importa quando se trata de desenvolver câncer colorretal:
Verdade. Mais de 90% dos casos de câncer colorretal são diagnosticados em pessoas com mais de 50 anos de idade. Além disso, outros fatores aumentam o risco de desenvolver a doença como histórico familiar da doença, história pessoal de câncer, obesidade e sedentarismo.

O câncer colorretal só afeta pessoas com mais de 50 anos:
Mito. Embora a maioria dos casos de câncer colorretal seja diagnosticada em pessoas com mais de 50 anos, a doença pode afetar pessoas de qualquer idade, especialmente aquelas que apresentam fatores de risco.

O câncer colorretal é uma doença que, inevitavelmente, mata:
Mito. O câncer colorretal é curável na maioria das vezes, quando diagnosticado precocemente e ainda não se disseminou para outros órgãos. Se diagnosticado em estágio inicial, o tratamento tem mais chances de ser bem sucedido.

A ausência dos sintomas não significa ausência da doença:
Verdade. Durante os primeiros estágios, a maioria das pessoas com câncer colorretal não apresentam sintomas. Alterações nas fezes, sangramento, dor abdominal ou perda de peso sem explicação, aparecem quando a doença já está em um estágio mais avançado.

A colonoscopia é um procedimento doloroso e constrangedor:
Mito. Embora possa causar incômodos a colonoscopia não é tão desagradável quanto a maioria das pessoas acredita. O procedimento dura de 15 a 30 minutos e o paciente é sedado para evitar qualquer desconforto.

A colonoscopia é a única forma de diagnosticar o câncer colorretal:
Verdade. A colonoscopia é considerada um exame padrão no rastreamento do câncer colorretal. Durante o procedimento todo o cólon é examinado e, se existirem pólipos, são retirados. No entanto, existem outros exames alternativos como a colonoscopia virtual, sigmoidoscopia flexível e exames de sangue oculto e de DNA nas fezes. No entanto, a visão direta de lesões e a coleta de material de biópsia são muito importantes para o diagnóstico.

Ter um pólipo significa ter câncer colorretal:
Mito. Os pólipos podem ser benignos ou pré-cancerígenos, mas em alguns casos, se não forem retirados, podem se tornar malignos, ou seja, câncer. Portanto não significa que ter um pólipo é sinônimo de câncer colorretal.

Ter câncer colorretal, implica em usar uma bolsa de colostomia:
Mito. Atualmente, com o avanço das técnicas cirúrgicas e das opções de tratamento, as colostomias não são uma opção frequente e, quando necessárias, são muitas vezes temporárias.

Posso tomar atitudes que reduzam o risco de ter câncer colorretal:
Verdade. Estima-se que de 50 a 75% dos casos de câncer colorretal podem ser prevenidos apenas adquirindo-se um estilo de vida saudável.

  • Categoria: Sua saúde
  • Tags:

Tudo que você precisa saber sobre o Coronavírus

Postado em 18 de março de 2020



Há alguns meses o mundo inteiro está em alerta devido ao Covid-19, uma grande família de vírus que podem causar desde resfriados comuns até doenças respiratórias graves. E nos últimos dias, ele chegou ao Brasil trazendo medo e inúmeras dúvidas sobre o assunto. Por isso, hoje vamos conversar sobre isso. E a primeira coisa que eu quero te falar é: prevenção e informação! Essa dupla pode salvar você.

O Ministério da Saúde tem anunciado recomendações a serem adotadas para a prevenção da população. E como nós, da Cabergs, prezamos pelo seu bem-estar, eu quero dividi-las com você:

* lave as mãos regularmente com água e sabão e higienize-as com álcool gel 70%;

* mantenha pelo menos 2 metros de distância entre você e qualquer pessoa que esteja tossindo ou espirrando;

* evite tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;

* use lenços descartáveis ao tossir ou espirrar;

* mantenha os ambientes arejados;

* não compartilhe objetos pessoais;

* alimente-se bem e tenha boas noites de sono.

Os sinais da doença se assemelham aos de uma gripe. O paciente pode apresentar febre, tosse e dificuldade para respirar. Também é possível notar cansaço, dores no corpo, mal-estar, congestão nasal, dor de garganta ou dor no peito.

Além disso, algumas pessoas infectadas não apresentam sintomas. Por isso, siga as recomendações da Organização Mundial da Saúde. Saia de casa apenas quando necessário e evite o contato físico, principalmente com o grupo de risco, que são os idosos e as pessoas com problemas crônicos de saúde.

Só é possível diferenciar o coronavírus de uma gripe comum através de testes específicos e de um exame para o Sars-Cov-2, disponível nas redes pública e privada. Ele detecta o agente infeccioso pela sua carga genética, a partir de amostras das vias aéreas ou de catarro.

Mas atenção, só deve ir ao hospital quem estiver se sentindo muito mal ou apresentar sintomas como febre alta e dificuldade para respirar. Se for só um resfriado ou gripe leve, a recomendação é ficar em casa. Ir ao hospital sem necessidade pode tanto sobrecarregar o sistema quanto colocar a pessoa em maior risco de contrair uma infecção. Os casos suspeitos receberão a indicação para diagnóstico por infecção pelo coronavírus.

E deixa eu te lembrar de algo muito importante: para ter direito à cobertura do exame, o beneficiário precisa ter a requisição médica com a indicação de suspeita da doença; após receber a requisição, você deve ligar para um dos locais abaixo para ser orientado sobre como e onde a coleta será feita. Não se direcione sem antes fazer um contato prévio por telefone.

Porto Alegre:
Hospital São Lucas da PUCRS
Santa Casa de Misericórdia
Hospital Mãe de Deus
Hospital Moinhos de Vento.

Interior:
Secretaria de Saúde da sua cidade.

Se não houver nenhum prestador na sua localidade, é indispensável procurar a Cabergs, para receber orientação. Em caso de dúvidas, ligue 0800 051 2142.

Informamos ainda que, a fim de evitarmos a proliferação do vírus Covid-19,  o Ambulatório Médico da Cabergs está atendo exclusivamente via contato telefônico, através do número 0800 051 2142. Os atendimentos presenciais estão suspensos por tempo indeterminado.

Lembre-se sempre: Fake news sobre o novo coronavírus estão circulando com força total, se você tem alguma dúvida deve consultar a Cabergs ou fontes oficiais do Ministério e Secretarias da Saúde.

  • Categoria: Sua saúde
  • Tags: