Saúde e bem estar

A sua vida, mais saudável.

Como fica a saúde ocular depois dos 60 anos?

Postado em 29 de julho de 2021


Você sempre enxergou bem e parece que, de uma hora para outra, tem dificuldade de focar as conversas no WhatsApp? Chega um momento na vida que a ampulheta vira e parece que a areia escorre mais rápido do que deveria. Nesta fase, após os 60 anos, os cuidados com a saúde ocular de ser redobrado, já que a visão também envelhece.

A partir dos 40 anos, algumas doenças começam a surgir e é fundamental prestar atenção e manter as consultas regulares em dia. E, se você já passou dos 60, redobre a atenção, pois a vista cansada (presbiopia), por exemplo, é considerada uma das principais alterações relacionadas à idade. Esta doença ocorre por causa da diminuição da força muscular e do endurecimento da lente que gera o foco para a visão mais próxima. Não se preocupe se você enxerga bem de longe, pois a musculatura do olho e o cristalino estão na posição de repouso; logo, quando focamos nos objetos próximos, a musculatura interna do olho se contrai, o cristalino muda de forma e focamos corretamente.

O glaucoma é uma doença que costuma se manifestar após os 40 e é caracterizada pelo aumento da pressão intraocular, que causa uma lesão no nervo óptico e seu tratamento é permanente e contínuo. Se você pratica exercícios físicos tem grandes chances de controlar o glaucoma, pois já está comprovado cientificamente que o exercício físico diminui a pressão intraocular. Após os 60 anos é muito comum o aparecimento da catarata. O seu tratamento é por cirurgia e com a tecnologia atual ela é rápida e de fácil recuperação.

Envelhecer faz parte da vida, contudo é possível retardar e diminuir os efeitos da idade no corpo, mas para isso é imprescindível manter hábitos saudáveis como ingerir adequadamente ômega 3, contido em ovos, leite e cenoura, por exemplo. Por isso, procurar um profissional da área pode ajudar, equilibrando a sua dieta de acordo com as necessidades do seu corpo. Exercícios físicos, não fumar e evitar o consumo de bebidas alcoólicas também são importantes para manter a saúde ocular em dia. O cuidado com os olhos vai além da alimentação, é preciso estar atento à radiação UVA e UVB, portanto, não esqueça de utilizar óculos solares de boa qualidade mesmo no inverno. O sol em excesso pode causar lesões oculares e acelerar o aparecimento da catarata.

Fique atento! Evite também o uso prolongado de aparelhos eletrônicos como computador, celular e televisor. Fazer pausas regulares de 15 minutos a cada uma hora de uso é uma boa dica para ajudar na saúde ocular. Não deixe a saúde dos seus olhos para amanhã! Em qualquer idade é importante dar atenção para eles.


  • Categoria: Saúde ocular, Sua saúde
  • Tags:

Doenças oculares de inverno

Postado em 22 de julho de 2021


Vento, frio, chuva, sol e até mesmo calor. Haja saúde no inverno e, quando falamos nela, precisamos lembrar que nossos olhos precisam de atenção na estação do frio. O clima seco e a baixa umidade do ar deixam os olhos mais suscetíveis a alguns fatores que desencadeiam doenças oculares de inverno.

Nos dias mais frios é comum fecharmos os ambientes, usar o ar condicionado e até o tradicional fogão à lenha para nos esquentar. Contudo, é preciso atenção: as alergias oculares, comuns neste período do ano, são causadas por poeira, fumaça e ácaros. Manter os ambientes arejados ajuda a evitar, não só o contágio de doenças como a gripe e o Covid-19, mas também doenças oculares. Os sintomas mais comuns das alergias são olhos vermelhos, coceira, lacrimejamento, ardência, fotofobia e irritação. Nestes casos, buscar o atendimento de um médico alergista e um oftalmologista é importante para identificar precisamente a doença, bem como combatê-la corretamente. Outra doença comum no inverno é a síndrome do olho seco, uma doença ocular crônica que tem por característica a diminuição da produção da lágrima. Poluição, poeira, ar seco e a baixa umidade do ar costumam ser os desencadeadores dela.

E você já deve ter ouvido falar na conjuntivite, esta é uma doença que geralmente aparece quando permanecemos por mais tempo em ambientes fechados. Existem três tipos de conjuntivite, a alérgica, a viral e a bacteriana.
Alérgica: é a mais comum, ela ocorre quando a pessoa tem alergia a substâncias como o pólen, poeira e até pelos de animais de estimação. Ela costuma afetar pessoas susceptíveis à alergia como em casos de asma, rinite ou bronquite.
Viral: é causada através de um vírus, tem como sintomas vermelhidão, hipersensibilidade à luz, produção excessiva de lágrimas e coceira.
Bacteriana: é causada por bactéria e tem como sintomas a produção em excesso de remelas, ligeiro inchaço das pálpebras, vermelhidão dos olhos, hipersensibilidade à luz, dor e coceira.

Existem algumas formas de prevenir as doenças oculares no inverno. Você pode começar mantendo os ambientes arejados, com janelas abertas e evitando o ar condicionado. Com relação ao ar condicionado, lembre-se de fazer uma revisão nele, manter os filtros limpos ajuda a evitar a proliferação de agentes que causam alergias oculares. Usar óculos solares também é uma forma de prevenir a alta luminosidade, vento e poeira. No inverno é comum a umidade do ar ficar mais baixa, o que pode ressecar e irritar os olhos; então mantenha o ar umidificado, você pode fazê-lo com um copo dágua ou um umidificador.

Mesmo durante o inverno, mantenha uma alimentação equilibrada, inclua na alimentação frutas e verduras. Existem alimentos que fazem bem para a saúde dos olhos como cenoura, alho, peixes, azeite de oliva entre outros, que ajudarão a mantê-los saudáveis. Não esqueça de ingerir líquidos ao longo do dia, fique atento aos cuidados com a higiene das mãos e dos olhos e não esqueça que é muito importante manter as visitas regulares ao seu oftalmologista.

  • Categoria: Saúde ocular, Sua saúde
  • Tags:

Mesmo em pandemia a saúde dos olhos não pode esperar

Postado em 15 de julho de 2021


A chegada da pandemia colocou a todos em isolamento social e fez com que a saúde ocular ficasse em segundo plano. Neste período, a utilização das tecnologias como notebooks, celulares, tablets e até mesmo o uso da televisão aumentou consideravelmente. A superexposição aos itens digitais trouxe diversos malefícios aos olhos.

Mesmo com o coronavírus, a saúde ocular não pode esperar. A tecnologia acentuou a Síndrome da Visão Computacional (SVC), que tem como características a fadiga ocular, a tensão e os olhos secos. Geralmente essa síndrome afeta as pessoas que costumam passar pelo menos três horas na frente de um dispositivo emissor de luz azul. E, se você trabalha no computador, fique atento: não deixe sua consulta de check-up para depois. Os olhos são sensíveis e vulneráveis, a lente e a retina não se renovam biologicamente. A prevenção na saúde ocular é a melhor opção para evitar doenças ou danos permanentes caudados pela exposição às telas, a qual citamos antes. Se você está home office ou estudando remotamente, fazer pausas de 5 a 10 minutos após 1 hora de contato com as telas, de preferência fixando a distância sem olhar para o monitor, irá ajudar na saúde dos olhos.

Se você não tem consultado seu oftalmologista, fique atento a alguns sinais que podem indicar que seus olhos podem estar comprometidos, como irritabilidade ao final do dia, dores de cabeça, olhos vermelhos e olhos secos. Caso você tenha alguns destes sinais, procure seu médico.

Ainda estamos em pandemia, então é preciso redobrar a atenção com os nossos olhos, especialmente porque eles também são porta de entrada para o vírus. Evite sempre tocar a boca, o nariz e os olhos, não esquecendo nunca de manter as medidas sanitárias preventivas ao Covid-19. Com relação ao vírus, deve-se atentar para a conjuntivite, que é um dos sintomas dele. Em caso de discreta vermelhidão, edema e olhos lacrimejando, pode indicar uma potencial contaminação.

Um dos aliados à saúde dos olhos é a luteína, um carotenóide de tonalidade amarelo-limão presente em alguns vegetais. Ele ajuda na proteção contra os danos causados pela luz UV ao globo ocular. Manter uma alimentação saudável, com a inclusão de vegetais verdes e folhosos, ajuda na prevenção e na saúde dos olhos. A luteína é encontrada em alimentos como couve, espinafre, chicória, aipo, alface, incluindo-se também a gema de ovo. Algumas vitaminas e nutrientes também têm o poder de retardar a degeneração macular, problema que pode levar à cegueira, entre outros males, como o ressecamento ocular e até a catarata. Fique de olho em sua dieta, saiba que a orientação de um nutricionista pode ajudar a deixar sua alimentação mais saudável, favorecendo a prevenção das doenças.

A falta de acompanhamento oftalmológico, mesmo daquelas pessoas que não têm doenças oculares, pode comprometer a saúde ocular. Visite o oftalmologista e faça exames de vista, pelo menos, uma vez por ano e garanta seu bem-estar.

  • Categoria: Saúde ocular, Sua saúde
  • Tags: